Noticias

Moza Banco apoia a reabilitação do Hospital Geral de Mavalane
05/02/2021

O Moza Banco acaba de prestar apoio na reabilitação do Hospital Geral de Mavalane, para uma maior e melhor capacidade de atendimento aos doentes da COVID-19.

O apoio do Moza Banco será constituído por loiça sanitária e material de carpintaria e de electrificação, que foi solicitado pelo Hospital Geral de Mavalane, por forma a ter uma melhor preparação para atender os doentes com o vírus.

O HGM é dos mais antigos da Cidade de Maputo, fazendo atendimento de doentes do bairro de Mavalane e da sua área de Saúde, que inclui todos os centros de saúde dos distritos municipais de KaMavota, KaMpfumo, KaMaxaquene e KaNyaka.

A Direcção do Hospital refere que “todos os edifícios necessitam de renovação hidráulica, carpintaria e electricidade para restabelecer um ambiente saudável e cómodo para os prestadores de serviços e comunidade em geral”.

Esta necessidade surge numa altura em que, “o orçamento disponibilizado pelo Estado é exíguo, sendo quase impossível realizar actividades relacionada a essas áreas”, refere ainda a nota do Hospital.

O Presidente do Conselho de Administração do Moza Banco, João Figueiredo, diz que a instituição que dirige está comprometida, não só em prestar melhores serviços aos seus clientes, como também em “dar sempre um contributo nos momentos mais decisivos da história”.

“Este é o momento em que todos os moçambicanos gostariam de saber como contribuir. Por isso quando nos apareceu esta oportunidade, pensámos que tínhamos de contribuir no combate a esta doença que afecta a todos”, explica João Figueiredo.

Neste momento, o Hospital Geral de Mavalane conta com dezenas de pessoas internadas por várias enfermidades e os números aumentam todos os dias, o que se traduz numa procura cada vez mais crescente, para condições limitadas.

Lembre-se que depois de ter se registado os primeiros casos da Covid-19 em 2020, o Moza Banco  fez uma doação ao Instituto do Coração para apoiar no atendimento aos pacientes ligados à pandemia da Covid-19. O valor do Moza Banco serviu para ajudar com despesas não previstas no plano orçamental do Instituto.

Moza Banco inaugura dois novos balcões em Niassa
09/11/2020

O Moza Banco inaugurou, na última quinta e sexta-feira, duas agências bancárias nos distritos de Chimbunila e Majune, província de Niassa. Estas agências enquadram-se na iniciativa presidencial "Um Distrito Um Banco" e juntam-se a uma rede de balcões que agora totalizam 70 em todo o país. 

São edifícios de raiz, que contêm um balcão de atendimento com os serviços adjacentes todos presentes e caixas electrónicas para transacções electrónicas.

Embora o Moza Banco já esteja presente na província do Niassa, estas duas agências bancárias são as primeiras nos respectivos distritos. As infra-estruturas irão beneficiar a cerca de 100 mil habitantes, sendo 70 mil de Chimbunila e cerca de 30 mil do distrito de Majune.

“Nós somos um banco que procura aproximar-se cada vez mais aos moçambicanos e quando falamos de moçambicanos referimo-nos a absolutamente todos. Então estarmos a inaugurar estas agências nestes distritos faz-nos crer que estamos a honrar com aquilo que tem sido o nosso desejo e é isso que os clientes do banco podem esperar de nós, uma maior proximidade”, explicou João Figueiredo, Presidente do Conselho de Administração do Banco, momentos depois da inauguração da segunda agência que teve lugar no distrito de Majune.

Intervindo momentos depois da inauguração de uma das agências, o Governador do Banco de Mocambique, Rogério Zandamela manifestou a sua satisfação com a implantação das duas agências em Niassa, "Estamos certos que a entrada em funcionamento destas agências trará maior abrangência e flexibilidade na liquidação das transacções financeiras em Majune, em particular, e na província do Niassa, em geral, contribuindo assim para a dinamização da actividade económica e, sobretudo, para a melhoria dos indicadores de inclusão financeira ao nível da província".

O Governo Central também presente no evento através do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural, representado pelo respectivo vice-ministro Olegário dos Anjos Banze que destacou que "com a inauguração dos dois balcões do Moza Banco, a província do Niassa conta com mais 12 distritos com pelo menos uma instituição financeira, beneficiando perto de 918.955 habitantes economicamente activos, perfazendo 49.2 por cento com acesso ao Banco, dos mais de um milhão e oitocentos mil habitantes existentes na província, faltando apenas os distritos de Metarica, Ngauma, Sanga e Muembe".

Por sua vez, o Secretário de Estado em Niassa disse durante a sua intervenção que " A presença do  Moza Banco nos distritos de Chimbunila e Majune, vai  minimizar o sofrimento da população que antes percorria longas distâncias até a cidade de Lichinga em busca de serviços bancários, mas hoje, de forma eficiente e eficaz, a partir de cada um desses distritos, poderão realizar transacções e aceder a financiamentos para actividades de empreendedorismo, e por conseguinte melhorar as suas vidas ", frisou o Secretario de Estado na província do Niassa Dinis Vilanculo.

João Figueiredo revelou que ao abrigo da iniciativa "Um Distrito Um Banco", Niassa vai ganhar mais duas agências do Moza Banco. “Com estas 2 Agências, o MOZA passa a contar com 15 agências ao abrigo do programa Um Distrito, Um Banco. O MOZA prevê abrir ainda mais 10 agências, duas destas em Niassa – Ngauma e Sanga”.

E porque o objectivo é tocar e melhorar a vida das pessoase tendo em consideração o momento pandémico que o País e o Mundo atravessam, o Moza Banco fez oferta de kits de higienização e não só no âmbito da sua Responsabilidade Social.

Os kits são compostos por dois tanques de água de 5 mil litros cada, 500 máscaras de tecido, Caixas de sabão, baldes de 20 litros com torneiras, isto para o distrito de Chimbunila. Já para Majune, o Moza Banco fez uma oferta de 300 quilos de sementes de milho, 200 quilos de sementes de gergelim e 200 enxadas com o objectivo de fomentar a produção e comercialização agrícola.

 

Moza Banco e FNDS firmam parceria para apoiar sector agrícola do país
04/11/2020

O Moza Banco e o Fundo Nacional do Desenvolvimento Sustentável (FNDS), instituição subordinada ao Ministério de Agricultura e Desenvolvimento Rural (MADER), assinaram, recentemente, um Protocolo com vista a enquadrar a procura conjunta de soluções de financiamento que venham a beneficiar o sector primário da economia de uma forma consistente e verdadeiramente viável.

Nestes termos, as duas Instituições chegaram a um acordo para, ao abrigo do Projecto SUSTENTA, disponibilizarem um fundo no valor de 1.173.216.999,57 MT. Este fundo contempla uma Linha de Crédito destinada a apoiar o sector do Agro-Negócio, estando ainda acoplada de uma componente de subvenção não reembolsável e que se traduz numa comparticipação em fundos de apoio ao reforço dos capitais próprios daquelas unidades empresariais.

Na cerimónia de assinatura do Protocolo, João Figueiredo, Presidente do Conselho de Administração do Moza Banco, referiu-se à importância que, por um lado, esta iniciativa assume na economia real, “na medida em que com a colaboração do MADER, através do FNDS, vai ser possível determinar-se um equilíbrio saudável entre o envolvimento de capitais próprios e de financiamento bancário aos beneficiários destes financiamentos”.

Por outro lado, “importa sublinhar o esforço do Estado, quer na captação de fundos provenientes de outros parceiros como é o caso do Banco Mundial, quer por via do Orçamento de Estado, acabaria por tornar possível que estes financiamentos fossem concedidos a uma taxa bonificada muito abaixo das taxas de mercado, em linha com as expectativas do Sector”.

Já o Presidente do Conselho de Administração do FNDS, Claudio Borges , reagiu afirmando que “Dados em poder do MADER indicam que menos de 1% dos produtores agrícolas em Moçambique têm acesso ao crédito bancário. De modo a ultrapassar esta realidade, acreditamos ser preciso criar produtos financeiros desenhados à medida dos vários intervenientes numa cadeia de valor agrícola. Um destes produtos fica disponível ao mercado através desta parceria com o MOZA, havendo espaço num futuro breve para outros bancos comerciais participarem. Através desta parceria, que irá assegurar transparência e observância de regras de compliance, foi possível criar uma linha de crédito com condições que consideramos adequadas para o segmento do agronegócio e permitirão uma maior integração e desenvolvimento de cadeias de valor agrárias”.

Os termos e condições de acesso a esta Linha de Credito serão nos próximos dias disponibilizados ao mercado através dos canais de distribuição do Moza Banco e do FNDS.

Moza Banco e Muva unem-se contra violência baseada no género
11/09/2020

Foi a pensar no bem-estar dos Moçambicanos e na melhoria das suas condições de vida que o Moza Banco decidiu mais uma vez juntar-se à plataforma MUVA para fazer uma campanha contra a violência baseada no género em tempos de confinamento e em consequência do novo Coronavírus.

Denominada Género em Tempos da Covid-19 a campanha tem por objectivo apelar às famílias que, ficar em casa, deve se traduzir em mais união na família e não a violência doméstica, seja ela verbal ou fisica.

Além do Moza Banco, o projecto conta com o apoio de parceiros, nomeadamente o MEPT, ALIADAS e MISAU, e visa sensibilizar as pessoas para a necessidade de união, prevenção e diálogo, como forma de prevenir o aumento de casos de violência doméstica, que aumentam em períodos de crises, como a que vivemos. Nestes casos, geralmente as mulheres e crianças são as maiores vítimas, daí a necessidade de proteger estes grupos sociais.

A campanha durará dois meses, e ao longo deste período, o Moza Banco irá dissiminar nos seus canais de comunicação, mensagens de sensibilização para esta temática, tal como desenvolver outras iniciativas dedicadas ao tema do género.

Esta campanha é uma das várias iniciativas que o Moza Banco está a levar a cabo  dentro da temática e luta contra a Covid-19.

Para além das campanhas de comunicação, o Moza Banco implementou um conjunto de medidas para evitar que os seus colaboradoressejam contaminados e muito menosas suas instalações se transformem em focos de transmissão do vírus.  

Das várias medidas, destaca-se a divulgação de informação e medidas preventivas sobre a Covid-19 aos colaboradores, clientes, e público em geral, através dos respectivos canais de informação, bem como reforço dos procedimentos de limpeza e desinfecção das instalações, agências, ATM’s e quiosques. O Banco determinou a obrigatoriedade de medição de temperatura dos funcionários e clientes, bem como o uso de máscaras de protecção por todos os colaboradores no atendimento aos clientes.

 

Presidente da República inaugura novo balcão do Moza Banco na província da Zambézia
27/08/2020

Presidente da República, Filipe Nyusi, inaugurou, esta quinta-feira, 27 de Agosto, o novo balcão do Moza Banco no distrito de Derre, província da Zambézia. Na mesma ocasião, o Presidente inaugurou uma escola secundária, onde o Moza Banco doou material de prevenção contra a Covid-19.

O novo balcão do Moza Banco vem no âmbito da iniciativa “Um distrito, um Banco”, da qual esta instituição bancária é parte e tem estado a estender a sua rede de distribuição, estando neste momento na terceira posição em termos de rede de Agências em todo o país.

O distrito de Derre encontra-se a mais de 150 quilómetros da Cidade de Quelimane e tem cerca de 100 mil habitantes. É a estes que a instalação do novo balcão vai beneficiar em termos de usufruto dos serviços bancários, o que se enquadra perfeitamente na estratégia de bancarização do país e inclusão financeira, que tem sido a luta do Governo de Moçambique e do Moza Banco em particular, sendo que neste momento conta com 68 Unidades de Negócio espalhadas por todas as capitais provinciais e alguns Distritos e Vilas.

“Esta infra-estrutura chegou numa boa altura e vai contribuir para o crescimento deste distrito. Devem continuar com este tipo de projectos, não só aqui na Zambézia mas sim pelo país todo",disse o Presidente da República dirigindo-se aos presentes no momento da inauguração do balcão.

A propósito do evento o administrador do Moza Banco, Manuel Vasconcelos Guimarães, frisou que com esta Agência o Moza pretende servir a todos: População em geral, produtores, comerciantes, funcionários públicos e agentes do Estado, empresários locais, instituições públicas e privadas com destaque para as micro, pequenas e médias, oferecendo soluções financeiras ajustadas às suas diversas necessidades

Ainda em Derre, o Presidente da República, Filipe Nyusi inaugurou a Escola Secundária com mesmo nome, onde o Moza Banco fez uma doação de material de protecção contra a Covid-19.

O material visa ajudar a recém-inaugurada escola na protecção contra a Covid-19, numa altura em que se espera o reinício das aulas para breve no ensino secundário e sem ainda um vislumbre de quando é que se terá o fim da pandemia.

O administrador do Moza Banco referiu que a doação enquadra-se no âmbito da responsabilidade social da empresa e é parte dos esforços que o banco tem estado a empreender para minimizar os efeitos desta doença.

“O Moza Banco é um banco de moçambicanos e o maior compromisso que tem é mesmo com os moçambicanos, por isso preocupa-se em apoiar, no que estiver ao seu alcance, particularmente em momentos de crise como este, destacou Manuel Guimarães.